quinta-feira, 25 de junho de 2015

"O Cavaleiro da Ordem de Malta"
Séc. XVIII
Venerável Ordem Terceira de São Francisco do Porto.
Esta belíssima obra foi recentemente objecto de restauro por Andréa Carolina Fernandes Teixeira, Mestre em Conservação e Restauro de Bens Culturais - especialidade em Pintura pela Universidade Católica Portuguesa.
Para mais desenvolvimentos sobre esta pintura e o trabalho de restauro, ver Estudo científico e técnico-material de conservação e restauro da pintura sobre tela O Cavaleiro da Ordem de Malta, pertencente ao espólio artístico da Venerável Ordem Terceira de São Francisco do Porto, in FILERMO - Publicação da Assembleia dos Cavaleiros Portugueses da Ordem Soberana e Militar de Malta, Vol.16, Porto, 2014, pp. 81-116.

domingo, 31 de maio de 2015

Recuperação dos azulejos de Santa Luzia

Foram recentemente adjudicados os trabalhos de recuperação e conservação dos azulejos do Miradouro de Santa Luzia, em Lisboa, onde se situa a Igreja de Santa Luzia e São Brás, sede da Assembleia dos Cavaleiros Portugueses da Ordem Soberana e Militar de Malta. Trata-se, com efeito, de um dos mais belos miradouros da cidade, com uma das mais imponentes vistas panorâmicas sobre o bairro de Alfama e rio Tejo.
As obras, que decorrerão até final do corrente ano, terão em vista a recuperação e conservação dos azulejos deste miradouro, em cujos detalhes se podem observar representações da Praça do Comércio antes do Terramoto de 1755 e também da conquista cristã do castelo de S. Jorge.


sábado, 16 de maio de 2015

Brasão de Armas de Cavaleiro da Ordem de Malta
Painel de azulejos com motivo heráldico, 56x42cm
Lisboa, c.1580

Este painel com as «armas» de um cavaleiro da Ordem de Malta, ainda não identificado, é uma peça muito significativa da primeira produção portuguesa, de gosto ítalo-flamengo, que teve na Quinta da Bacalhoa o seu núcleo profano de maior importância.
por Maria Antónia Pinto de Matos, in Azulejo. Obras do Museu Nacional do Azulejo

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Cavaleiro Português entre os mais altos dignitários da Ordem de Malta

Volvidos mais de dois séculos, um Cavaleiro Português volta a figurar entre os mais altos dignitários da Ordem Soberana e Militar de Malta. Trata-se, com efeito, de S.E. o Senhor D. Ruy Gonçalo do Valle Peixoto de Villas-Boas (Guilhomil), membro da Assembleia dos Cavaleiros Portugueses, presidida por S.E. o Senhor Conde de Albuquerque, que proferiu os seus votos perpétuos enquanto Cavaleiro Professo e de Justiça, perante S.A.E. o Príncipe e Grão-Mestre da Ordem, Frà Matthew Festing, que para o efeito se deslocou propositadamente a Portugal, mais própriamente ao Mosteiro de Leça do Balio.
Com esta ascensão de S. E. o Senhor D. Ruy de Villas-Boas a Assembleia dos Cavaleiros Portugueses volta a ter membros nas três classes da Ordem, a saber: Primeira Classe (os membros professos de votos religiosos - obediência, castidade e pobreza); Segunda Classe (os membros que fazem promessa de obediência); Terceira Classe (os membros que não pronunciam votos religiosos nem promessa de obediência, mas juram cumprir os regulamentos da Ordem).
Também nesta mesma ocasião, o Cavaleiro Dr. João Esquível Freire de Andrade foi recebido oficialmente como noviço para Cavaleiro Professo.
A cerimónia, a que presidiu Sua Excelência Reverendíssima o Senhor Bispo do Porto, D. António Fonseca dos Santos, ladeado por vários Capelães Magistrais da Ordem, teve lugar no passado dia 29 de Maio.
 
Para mais desenvolvimentos, consultar o blog da Assembleia dos Cavaleiros Portugueses

Cavaleiro Dr. João Freire de Andrade a proferir os seus Votos perante S.A.E. o Grão-Mestre

Cavaleiro Dr. João Freire de Andrade e S.E. Senhor D. Ruy Villas Boas

S.E. o Senhor D. Ruy Villas Boas a proferir os seu Votos perante S.A.E. o Grão-Mestre

S.E. o Senhor D. Ruy Villas Boas a cumprir o ritual de admissão

Sua Excelência Reverendíssima o Senhor Bispo do Porto a cumprimentar
S.E. o Senhor D. Ruy Villas Boas

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Com os peregrinos a caminho de Fátima!

 
Durante os próximos dias estaremos na estrada, com o CVOM - Corpo de Voluntários da Ordem de Malta, a auxiliar, confortar, recuperar e incentivar os peregrinos que demandam o Santuário de Fátima. Se vai para a estrada, redobre a sua atenção, ajude e incentive a fazer este caminho; um caminho de fé e devoção, mas também de tolerância, respeito pelas razões e convicções do outro, de liberdade e solidariedade.
 
"Desde tempos imemoriais que os peregrinos – vocábulo de origem latina, per agrum, que significa ‘pelos campos’ –, realizam, no âmbito histórico e religioso, individualmente ou em grupo, jornadas em direção a um determinado lugar sagrado.
Em Portugal, existe uma forte tradição na realização de peregrinações cristãs direccionadas para os mais variados locais de culto, com destaque para aquelas que se decorrem no Santuário de Fátima, que envolve inúmeras pessoas.
É de referir que a condição de peregrino não se esgota na intenção de caminhar em direção de um lugar sagrado; importa também valorizar o motivo que o levou a fazer essa jornada, determinante para a sua vida, onde muitas vezes se procura o sentido da própria existência, como um percurso interior.
4. Importa referir, também, que o ato de peregrinar abrange uma amplitude que vai muito para além da condição de crente de quem o pratica, abrangendo uma dimensão social, cultural e económica que se deve também valorizar.
Na sua declaração de 23 de novembro de 1987, a propósito da revitalização do Caminho de Santiago, o Conselho da Europa reconhece “que a força que, ao longo dos tempos, animou os peregrinos e, para além das diferenças e interesses nacionais, os reuniu numa aspiração comum, nos inspire hoje, e muito particularmente os jovens, a percorrer estes caminhos, em ordem a construirmos uma sociedade fundada na tolerância, no respeito do outro, na liberdade e na solidariedade”.
 
in Resolução da Assembleia da República n.º 66/2014, que instituiu o Dia Nacional do Peregrino, publicada em DR, 1.ª Série, n.º 134, de 15 de julho de 2014.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Marcos de Malta da antiga comenda de Rossas

Recentemente, na Quinta-Feira Santa, deflagrou um grande incêndio florestal nas freguesias de Chave, Tropeço e Rossas, no concelho de Arouca. A freguesia de Rossas foi uma antiga comenda da Ordem de Malta, desde os primórdios da Nacionalidade até à extinção das Ordens Religiosas em Portugal, encontrando-se aí, ainda hoje, muitos elementos patrimoniais desse tempo, dentre os quais cerca de três dezenas de marcos delimitativos da antiga comenda. Estes marcos encontram-se devidamente relacionados e inventariados por nós.
Duas semanas após o incêndio acorremos aos limites da freguesia de Rossas com a de Tropêço, averiguar os estragos provocados, de que fizemos o devido registo dos dois marcos (de pedra borneira) afectados pela ocorrência. Nos limites com aquela freguesia encontram-se ainda mais dois marcos (em granito), os quais não foram afectados.



quinta-feira, 16 de abril de 2015

FESTA DE SANTA MAFALDA EM AROUCA

Nos próximos dias 1 e 2 de maio realiza-se a tradicional e centenária festa em honra de Santa Mafalda, padroeira do mosteiro e concelho de Arouca.
Como já vem sendo tradição, deslocar-se-á àquele concelho do interior do distrito de Aveiro uma delegação da Ordem de Malta, que se fará representar nas cerimónias religiosas e procissão.
 
Programa:
1 de maio
16h00 – Concerto do Coro Gregoriano do Porto
2 de maio
09h30 – Alvorada com lançamento de foguetes
09h30 – Desfile da Banda Musical de Arouca através da Avenida 25 de Abril
10h45 – Acolhimento dos fiéis e devotos com audição de órgão na Igreja do Mosteiro
11h00 – Missa solene presidida pelo Bispo Auxiliar do Porto, D. João Lavrador, com a participação do Grupo Coral de Urrô, acompanhado ao órgão pelo organista titular Nicolas Roger. A Missa será transmitida, em direto, numa gentileza da Rádio Regional de Arouca.
13h00 – Almoço no Hotel São Pedro
15h00 – Concerto pela Banda Musical de Arouca, na Praça Brandão de Vasconcelos
17h00 – Cerimónias religiosas e procissão solene pelas ruas de Arouca, com a representação das Irmandades e Confrarias do Concelho de Arouca, dos Cavaleiros da Ordem de Malta e da Irmandade do Mosteiro de Lorvão.
18h30 – Continuação do concerto na Praça Brandão de Vasconcelos
________________________________________
EXPOSIÇÃO DÁ A CONHECER A VIDA DE «MAFALDA SANCHES: PRINCESA, RAINHA E SANTA DE AROUCA»
«Mafalda Sanches: Princesa, Rainha e Santa de Arouca» é o título de uma exposição que reúne imagens, livros e documentos que nos ajudam a compreender melhor a vida daquela que ficou conhecida como Rainha Santa Mafalda. Filha de D. Sancho I, neta de D. Afonso Henriques, Mafalda foi uma das principais responsáveis pelo esplendor do Mosteiro de Arouca, sendo reconhecida pela história como uma mulher devota, trabalhadora, santa e boa gestora do património e do território que lhe foram confiados. A exposição biblio-iconográfica está patente ao público na Biblioteca Municipal de Arouca, de 2 a 15 de maio. in CMA
 

domingo, 29 de março de 2015

Documentos existentes na Torre do Tombo

Dada a sua manifesta utilidade e interesse, e com a devida vénia ao Arquivo Nacional Torre do Tombo, entendemos reunir e disponibilizar aqui os link´s directos para as versões digitalizadas de alguns dos documentos referentes à Ordem do Hospital de S. João de Jerusalém aí existentes:
http://digitarq.dgarq.gov.pt/details?id=4633130
Carta pela qual D. Afonso Henriques fez doação a D. Raimundo, procurador da Casa de Jerusalém,
e a D. Aires, prior em Portugal da mesma Casa
Carta de confirmação geral à Ordem do Hospital de todos os seus privilégios e liberdades

sábado, 28 de março de 2015

Visita à Igreja de Santa Luzia e São Brás

Participantes atentos às explicações do orientador Dr. Jorge de Matos
Durante a tarde deste sábado, acompanhámos a visita de estudo dos participantes nos Cursos Livres de Introdução à Heráldica e de Cavalaria Espiritual e Tradição Literária, ministrados na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova à Igreja de Santa Luzia e São Brás, em Lisboa. Muitas das temáticas abordadas naqueles cursos encontram a sua tradução prática e ainda vivenciada neste templo que, embora de traça simples, tem uma história que remonta aos primórdios da Nacionalidade e é hoje a sede da Assembleia dos Cavaleiros Portugueses da Ordem Soberana e Militar de Malta, herdeira das tradições hospitalárias, assistenciais, religiosas e culturais da Ordem do Hospital de S. João de Jerusalém, de Rodes e de Malta, em Portugal.