domingo, 21 de Setembro de 2014

As pinturas do retábulo-mor da igreja de Malta

Retábulo-mor da igreja matriz de Malta
Da autoria de Isabel da Costa Lopes, Licenciada em História da Arte e Património pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, o trabalho "As pinturas do retábulo-mor da igreja matriz de Malta", uma pequena povoação pegada à freguesia de Olmos, concelho de Macedo de Cavaleiros, distrito de Bragança - na região de influência da antiga comenda de Algoso - revela-nos as motivações que moldaram as pinturas em apreço.
As pinturas datam de inícios do século XVI e, segundo ao autora, revelam-nos «um discurso ideológico que não se confinava ao pequeno território que envolvia o templo e as imagens que o decoravam. Esse discurso, que actuou como um aglutinante estrutural, caracterizou a retórica medieval e penetrou nas primeiras décas de quinhentos, em muitas regiões da Europa ocidental.»
 
Isabel da Costa Lopes, sustenta que «Os templos que hoje encontramos em locais ermos, constituíram, noutros tempos, centros aglutinadores que correspondiam a uma necessidade de expansão, assumindo, em simultâneo, uma simbologia de sacralização territorial (...). Na temática decorativa destas tábuas, o conteúdo, a forma e a função inconográfica convergem de forma coerente para uma retórica dos formulários teóricos da cristandade. Mas, não só: todo o discurso visa o estabelecimento de mecanismos mentais que favoreçam a fixação das populações em território de condições adversas e contribuam para a lenta estruturação geográfica política do reino.»
 
O trabalho em apreço pode ser consultado online aqui.

sexta-feira, 27 de Junho de 2014

Parlamento aprovou criação do Dia do Peregrino

O Parlamento aprovou hoje, dia 27/06/2014, a instituição do Dia do Peregrino, que vai ser celebrado a 13 de outubro, uma proposta da maioria PSD/CDS que visa “dignificar o papel do peregrino na construção da sociedade portuguesa”.
 
 277 | II Série A - Número: 113 | 15 de Maio de 2014
PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1050/XII (3.ª) INSTITUI O DIA NACIONAL DO PEREGRINO
1. Desde tempos imemoriais que os peregrinos – vocábulo de origem latina, per agrum, que significa ‘pelos campos’ –, realizam, no âmbito histórico e religioso, individualmente ou em grupo, jornadas em direção a um determinado lugar sagrado.
2. Em Portugal, existe uma forte tradição na realização de peregrinações cristãs direccionadas para os mais variados locais de culto, com destaque para aquelas que se decorrem no Santuário de Fátima, que envolve inúmeras pessoas.
3. É de referir que a condição de peregrino não se esgota na intenção de caminhar em direção de um lugar sagrado; importa também valorizar o motivo que o levou a fazer essa jornada, determinante para a sua vida, onde muitas vezes se procura o sentido da própria existência, como um percurso interior.

sexta-feira, 20 de Junho de 2014

Cavaleiro de Justiça da Ordem de Malta junto à imagem de São João Baptista
Cerimónias Comemorativas do Dia do Santo Patrono da Ordem
Lisboa, 23 de junho de 2013

quinta-feira, 19 de Junho de 2014

domingo, 15 de Junho de 2014

A propósito da histórica participação da Ordem de Malta na Procissão do Corpo de Deus

Trata-se de uma das mais antigas Procissões de Lisboa. A origem da Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo remonta ao século XIII, altura em que a Igreja Católica sentiu necessidade de realçar a presença real do "Cristo todo" no pão consagrado. A Festa de Corpus Christi foi então instituída em 11 de Agosto de 1264, pela bula Transiturus de hoc mundo, do Papa Urbano IV, para ser celebrada na quinta-feira após a Festa da Santíssima Trindade, que acontece no domingo depois de Pentecostes.
Em Portugal, a solenidade do Corpus Christi já era celebrada no século XIII, desde o reinado de D. Afonso III. Era, à época, uma simples festa de adoração, não envolvendo a procissão pelas ruas. O rito da procissão foi instituído pelo Papa João XXII (1317). Actualmente, neste dia, em todas as 20 dioceses de Portugal, fazem-se procissões solenes a partir da igreja catedral, tal como em muitas outras localidades, que são muito concorridas. Estas procissões atingem o seu esplendor máximo em Braga, Porto e Lisboa. De resto, na capital, a festa do Corpo de Deus incluiu a Procissão, pela primeira vez, no reinado de D. João I, em 1389, pouco tempo volvido após a consolidação da autonomia face a Castela e do bom augúrio criado pelas vitórias bélicas de D. Nuno Álvares Pereira e pela influência cultural britânica (de tal forma que S. Jorge passou a ser considerado Padroeiro de Portugal).
Razão pela qual, à solenidade do Corpo de Deus se juntou a festa de São Jorge e desta junção resultou a magnificência da Procissão da capital. Manifestação religiosa que chegou a atingir surpreendente grandiosidade no tempo de D. João V, incorporando a Procissão, para além doutras, delegações de diversas Ordens Religiosas e Militares, como da Ordem de Malta, nomeadamente a partir de 1899, data em que se fundou a Assembleia dos Cavaleiros Portugueses da Ordem Soberana e Militar de Malta, herdeira das tradições hospitalárias, assistenciais e culturais da Ordem dos Cavaleiros Hospitalários de São João de Jerusalém, de Rodes e de Malta, em Portugal.

 El-Rei D. Manuel II, Presidente de Honra da Assembleia dos Cavaleiros Portugueses da Ordem de Malta, 
pegando na primeira vara do pálio, na Procissão do Corpo de Deus, em 18 de Junho de 1909

Sempre em Junho, as cerimónias tinham o seu início no Castelo de São Jorge, onde a imagem do Santo era colocada sobre um cavalo e percorria as ruas da cidade guardada pelo seu pajem e pelo seu escudeiro, o "homem de ferro", que segurava o estandarte de S. Jorge, o padroeiro da cidade e defensor da fé cristã. Quando o cortejo chegava à Sé catedral, era celebrada uma missa onde o Cardeal-Patriarca elevava a Custódia (Corpo de Deus), aos presentes e a preparava para que, finda a celebração, emergisse à porta da igreja, sob um magnífico pálio, rodeado por Suas Magestades e pela nobreza, formando-se a procissão, na qual o rei e os infantes tomavam uma das varas (geralmente a primeira da direita), sendo as restantes destinadas ao presidente do Senado da Câmara e à antiga nobreza.
A procissão prosseguia o seu caminho passando pela Igreja de Santo António e pela Madalena até à baixa, percorrendo as suas principais artérias de onde partia para regressar à Sé.

El-Rei D. Manuel II à saída da Sé no final das Cerimónias,
em 18 de Junho de 1909
Ao longo da história da Procissão do Corpo de Deus em Lisboa, porque especialmente integrada pelos mais altos dignitários da Corte - aparentemente mais desprotegidos - é curioso notar a tentação de realização de atentados contra as figuras régias. Um desses atentados deu-se contra El-Rei D. João IV. Tendo sobrevivido o monarca, sua esposa (D. Luísa de Gusmão) promoveu a construção do Convento dos Carmelitas, justamente no lugar do falhado crime, na baixa lisboeta, ficando conhecido como do “Corpus Christi”.
Outro atentado famoso deu-se contra D. Manuel II, perto da Igreja da Vitória, quando a procissão passava perto da Igreja da Vitória, na rua do Ouro.

Saída da Procissão, em 30 de Maio de 1907. El-Rei D. Carlos I, Primeiro Presidente de Honra da Assembleia dos Cavaleiros Portugueses da Ordem de Malta, pegando na primeira vara direita do pálio.
Com a passagem à República, a Legislação de 1910, que iniciou o processo de separação da Igreja do Estado, proibiu os dias santos da Igreja (excepto o Natal e o dia 1 de Janeiro) e interrompeu o culto público.
Em 2003, a Procissão do Corpo de Deus voltou a percorrer as ruas da Baixa, por onde outrora se cumpriu. A solenidade, então presidida pelo Cardeal-Patriarca - em que participaram, na missa e procissão, mais de cinco mil fiéis -, teve começo com a celebração da Missa no Largo da Igreja de São Domingos, no logradouro do Palácio da Independência, rumando depois à Rua Garrett, diante da Basílica dos Mártires, onde terminou com a Bênção do Santíssimo Sacramento.

Delegação da Assembleia dos Cavaleiros Portugueses da Ordem Soberana e Miltar de Malta, presente nas Cerimónias Religiosas do Corpo de Deus na Sé Patriarcal de Lisboa, em 2013.
Em 2014, as celebrações da Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo ocorrerão na Sé Patriarcal de Lisboa, no Domingo, dia 22 de Junho, sendo presididas pelo Senhor Patriarca de Lisboa, Senhor Dom Manuel Clemente. Às 11h30 realiza-se a Missa e às 17h00 realiza-se a Procissão por algumas ruas da Baixa, com início e término na Sé Patriarcal, onde será feita a Bênção solene às 18h30.

Fontes: SNPC; Revelar LX
Imagens: Família Real. Álbum de fotografias. Quimera Editores, Lda; blog da ACPOSMM.

segunda-feira, 2 de Junho de 2014

Visita à antiga comenda de Malta, Vila do Conde

No passado fim-de-semana visitamos a antiga comenda de Malta, em Vila do Conde. Dessa pertença à Ordem dos Cavaleiros Hopsitalários herdou a freguesia a sua denominação. Essencialmente rural, com suas estradas integralmente em paralelos e a propriedade rústica murada, Malta preserva também com muito gosto as marcas e simbologia própria daquela antiga pertença, o que se evidencia particularmente na Igreja Matriz.
Malta integra atualmente uma nova freguesia, pertencente ao concelho e comarca de Vila do Conde e distrito, diocese e relação do Porto, denominada “União das Freguesias de Malta e Canidelo”, resultante da Reorganização Administrativa Territorial Autárquica, concluída em 2013. Antes desta reorganização constituía uma freguesia autónoma com 1,85 km² de área e 1 385 habitantes (2011). Pertenceu ao concelho da Maia até 24.X.1855, data em que passou a integrar o concelho e comarca de Vila do Conde.
A casa que terá sido pertença da comenda da Ordem de Malta, edificada em data que não se conseguiu ainda precisar e situada na hoje denominada Rua dos Cavaleiros da Ordem de Malta poderá ser o mais antigo testemunho urbano ainda de pé, nesta freguesia que se chamou Santa Cristina de Cornes. Facto que se pode deduzir de alguns pedestais e seu torreão. Já o aspecto geral do imóvel indicia uma renovação efectuada no século XVIII.
A freguesia nem sempre se denominou assim. Só a partir de 1683 é que se consumou tal designação, pois no catálogo dos Bispos do Porto de 1623, ainda se lê o seu antiquíssimo topónimo – Santa Cristina de Cornes. O documento mais antigo que se conhece data do ano de 1097 e é um título de bens imóveis sitos em vila Cornias. Este nome nunca agradou aos habitantes desta terra, ainda que se saiba derivar, por certo, do latim Cornus, que era uma pequena árvore frutífera. Por a palavra se prestar a equívocos, o abade frei Manuel da Costa, que paroquiou a freguesia entre 1683 e 1710, foi o primeiro a usar o seu actual nome precedido do Orago da Freguesia – Santa Cristina de Malta – aproveitando o facto de ser abadia da Ordem de Malta, apresentada pelo Bailio de Leça.
Foi esta comenda extinta por força do Decreto de 30 de Maio de 1834, no âmbito da "Reforma Geral Eclesiástica", executada pela Comissão da Reforma Geral do Clero (1833-1837).
 




 

sexta-feira, 28 de Março de 2014

quinta-feira, 27 de Março de 2014

RELÍQUIA DO SANTO LENHO DA SÉ DE ÉVORA


A propósito da época cristã que estamos a viver, vale a pena fazer aqui notícia e trazer à memória um dos tesouros mais emblemáticos da Sé de Évora – a Relíquia do Santo Lenho (na imagem) -, cuja história da sua introdução em Portugal está ligada à Ordem do Hospital de São João de Jerusalém, nomeadamente, à acção do seu Prior Frei Afonso Peres Farinha, que a terá trazido da Palestina, no tempo das Cruzadas.
É por via da história e circunstância da introdução da Relíquia do Santo Lenho em Portugal, nomeadamente em Vera Cruz de Marmelar, Portel (que se pode consultar aqui), onde inicialmente se guardou e onde hoje se encontra parte da mesma, que se compreende a verdadeira história da Relíquia do Santo Lenho da Sé de Évora.
Dispomos já hoje de vários trabalhos sobre ambas as Relíquias, alguns dos quais, nomeadamente no caso da Sé de Évora, no entanto, acabam por se debruçar mais sobre os relicários do que sobre as relíquias, descurando, também assim, a origem e história das respectivas relíquias, em benefício da história dos relicários.